Aos meus pais, avós e amigos.
A toda vida...
A toda a natureza..

Traduzir / Translate this blog

Recordações - Poema: No outro dia

No outro dia - Poema escrito aos 13 anos.

No outro dia passei na rua
Era dia de ser dia do dia que era..!

Nesse dia, igual a qualquer outro dia,
Vi como sempre, de longe, no passeio...
Um homem a mendigar...!
O seu nome não sabia,
Da família não ouvi falar,
Estava abandonado na vida,
Vivia sozinho, a beber e a fumar...!
Mas... cheguei-me mais perto,
Perguntei-lhe: - Posso me sentar?
Ele, com aquele olhar esperançoso, de que alguém o ajudasse,
Disse com a cabeça baixa: - Senta-te miúdo!

Sem querer, começámos a falar,
Eu contei-lhe quem era, o que fazia,
E ele...
Ele... com uma voz rouca, que a cada som... ecoava naquela tarde,
Contou-me a sua história...
O que já havia sido no passado...

Ele já tinha sido...
Alguém com uma vida perfeitamente banal,
Mas, alguém... a quem o dinheiro havia acabado a vida... a alma....
E hoje...
Sobrevive a vender castanhas em rolos de jornal...!

Com ele...
Fiquei a aprender mais da vida...
Com ele, os meus olhos brilhavam de aventura,
Sim... de aventuras que ele contou... que ele disse que viveu...
Os problemas por que passou, e que ultrapassou...
Coisas que fez por amor... por amar alguém...
Coisas que fizeram dele... um alvo da censura... e da sociedade egoísta...
Coisas.... que... voltaria a viver...
Mas... o passado já passou...!

De repente...
Enquanto falávamos...
Uma buzina, um gemido alucinante, um ruído, um carro... que travou...
Tudo desapareceu, sem deixar rasto...
Tudo passou, sem sobrar uma recordação... uma lembrança... mais forte que este poema...
Daquele dia...
Em que conheci alguém tão diferente,
E ao mesmo tempo... tão parecido...!!

Ppppppiiiiiiiii....... PPPPPpppppiiiiii.....!

Era o despertador a tocar...
Tudo tinha sido um sonho...
Tudo tinha sido imaginação
Uma história que terminou com um relógio a gritar...
Talvez uma premonição...
Ou apenas... simplesmente um velhote simpático que me falou,
E me mostrou o seu coração de cristal...
Mas... afinal...
Não foi um dia como outro qualquer...
Foi sim...
Uma noite diferente de qualquer outra noite....!

Pedro Campos - Poema escrito aos 13 anos.

Sem comentários: