Aos meus pais, avós e amigos.
A toda vida...
A toda a natureza..

Traduzir / Translate this blog

Ave celeste...


Ave celeste
Que deslizas pelo céu
És feita de ondas
De um mar onde não há breu

Ave colorida
Que os meus sonhos te inventaram
Tens penas roliças
Onde rebolam as conchas do oceano

Ave desperta, minha amiga de aventuras
Quando fecho os olhos tu me embalas
Pelo túnel aberto do infinito além do monte

Ave pintura, candeeiro nas noites escuras
És a folha onde os pensamentos flutuam
Quando iço as velas para o futuro
Fecho os olhos ao destino...

Ironia

Deleito-me a pensar
Nas palavras escritas que crescem
Como se nelas existisse uma fonte
Onde o sublime e o impossível amanhecem

Um traço na folha
Uma folha sem traço
É um dilema perpétuo
Saber se o poema é um beijo... ou um abraço..

O trilho por decidir
E o vazio por preencher
Velas no rebordo da vida
E um grito no decano da solidão
Presidindo à assembleia remota
Onde os Deuses discutem as estratégias
Para o extermínio da emoção!

Nas horas silenciosas
Ocultas o medo
As mãos tremem-te e os punhos vacilam
E do outro lado da cortina encontramos o nevoeiro
Que a formalidade do mundo nos contamina...!

Ao longo dos dias
As noites vão mudando as vidas
E os breves longos instantes de eufemismo
São apenas sanguíneas temperanças
Loucuras ténues, devassas, que a madrugada te sussurrou...

Ao fim de um ano...
Acordas sonâmbulo
E o dia não tem mais dia
Que a noite é feita de lume apagado
Censurado pela ventania

É que a noite não é mais noite...
E a vida não é mais vida...
És tu e só tu... dentro de uma lagoa vazia
Onde as algas te cegaram o sorriso...
E te embriagaram de ilusão...

É que...
Quando abrires os olhos entenderás
O que as máquinas do mundo te fizeram
Mercantilizaram-te o coração
Montaram as suas estruturas frias de aço, ferro e pedra
E num mercado ao ar livre, feira popular da escuridão
Os Homens resignaram-se a mentir
Em vez de olhar e ouvir
O ritmo de cada sensação...

E sem saberes...
Adormeceste pensando que sabes tudo
Porque alienado permaneces
Cego, surdo e mudo...

A vida passou... os Homens morreram...
E nem as lágrimas nos registaram a saudade...!

Nada fica depois da partida...
Nem palácios, nem contas ricas.. nem os diamantes à volta do pescoço...
Nem a carne morna... luzidia... onde dançam os diamantes...
Nem anéis... nem os ossos...
Tudo se esvai...
Como poeira num vendaval...
E anda um mundo inteiro subjugado a impérios imensos
Que mais não são do que castelos de areia
Que sucumbirão
Ao subir da maré...!

Por ironia...
O Homem... tão obcecado pelo realismo... pelos factos... e provas...
É presa de si próprio...
Neste horizonte em que realidade é feita de incongruentes falsidades
Salpicada aqui e ali...
Com nano-verdades...

É esse o fado
Adormecer.. antes de despertar...
Deleitamo-nos a pensar...
Nestas palavras escritas que se disseram
Como se nelas existisse uma fonte
Onde o sublime e o impossível aconteceram...

.. para sempre...
nunca...
.. no extenuante excesso...
.. desta ironia...!

Não sei



Não sei que dor é esta
Que me corta a chama
E me dilui o verso...

Não sei que... palavras caem..
Entre os sonhos do meu sorriso
E o amanhã...

Não sei... porquê o sentir cansado!
Algures nas costas da solidão transporto
Um grito ao alcance do impossível...
.
Não sei que sensação me percorre
Se é de pedra fria a febre queimada me feria
Se é de ouro fundido o arame farpado
Que delimita os lugares sem sítio..

Não sei..
Se é de mim que tenho dor
Se é do sonho a saudade...
Se é do fado de ser poeta
Sempre no limiar da lucidez e da loucura
Sempre na fronteira ténue
Entre o doce encanto...
E a profunda melancolia...

O Gira-discos...


O gira-discos está quebrado!
Vês o disco a girar?
Parece um som psicadélico
Com um vazio no centro desequilibrado
Oscilando como o candelabro a deslizar
Pelo vento que sussurrando
Não sossega de chorar...

Estou...
À espera que a solidão dos nuncas
Amanheça à espera do futuro que fui
Nos sonhos dos que me amaram sem condição
Tempo ante tempo
Dedos abraçando mãos
No silêncio
No teu silêncio... de me escutares...assim...
De me escutares... ali...
Estes meus pensamentos...
Numa decifrável ilusão..

Estou... doente!
Dolente do meu pensar que morreu
A tentar compreender o infinito
Que há no caos das coisas finitas
Do universo que cada um traz.. colossal...
Dentro da sua mão...

Ao pensar compliquei o simples
Ao amar cristalizei o pensar
E feri olhos no caminho
Sem saber onde... para onde olhar

Transformei a inocência em armadilha
E os passos suaves e esvoaçantes.. em opressão...
Por me embrenhar nas silvas da vida...
Que ficam além, na estrada da confusão...

E enquanto me pensava livre
Não vi as correntes que me prendiam
Me agrilhoavam às celas de memórias escondidas
No baú dos dias em que todos estavam acordados comigo...
Lado a lado como num sonho de criança...
Uma festa em casa da minha avó...
E os amigos, os familiares, os primos, os tios, o meu avô...
Todos respirando e falando... tão bem.. pareciam vivos...

Hoje... a maquinaria está suspensa...
A agulha e o braço da canção já cessaram de movimentos
E o gira-discos.. está mesmo partido... não há dúvidas...!

E na companhia dos discos riscados
Já só ficam os dedos amontoados
Com as contas feitas e os projectos abandonados
E as lágrimas fugidias...
Paralelas a meia dúzia de poesias..
Que jazem... no frio da sala...
Ali... na mesma mesa solitária
Onde se acumula o pó em fatias
E fogachos de imagens retratadas
Do tempo em que nunca eu pensara na vida
Do tempo... em que o tempo me não doía
Porque conhecer... era desafiante..
E a dor... uma ideia ausente...
Colega de quarto da utopia...
Escutando...
Num gira-discos inteiro...
Música inteira...
No tempo em que o sorriso...era inteiro...
E ninguém chorava por olhar as fotografias.

O Poeta...


Eu não sei
O que escrever
Deito todas as palavras e regras no lixo
E deixo-me morrer

Eu não sei...
O que sentir...
A força do estilete
Ou a amarra da faca
É o veneno do poeta
Que adormece
Quando tem coisas demais
Para o espaço de cada palavra

Eu não sei
Se os pensamentos podem ser pensados
Ou se pensar é apenas um reflexo automático
De um espelho com o nulo refractado

Há.. aqui...



Há aqui
Uma corrente de ar
Em cima desta ponte...
E um breve cantar
Das ondas borbulhando
Nas pétalas do monte...

Há aqui...
Um caminho destinado
Onde pedras se direccionam
Para um qualquer lugar sem nome..!

Há emoções que ficaram
Beijos que se beijaram
Entregues, inteiros, eloquentes...
Futuros.. presentes...
Em gestos de recordação
Num por-do-sol acetinado...
Que sonhou... ontem contigo ali...
Ali.. ao meu lado...!

Há...!

Há... aqui...
Um mês de Julho abraçado ao vento para sempre...
Abraçado aos meus dedos... o teu ritmo... quente...
A dança de volúpia... de intenção...
Num sentir... sentindo... despindo... sem dimensão
Atravessando a avenida da rua
A caminho unicamente de ti...
A caminho do teu caminho...

Há aqui...
Ecoando... nas penas marujas...
Gaivotas solitárias voando...
Acompanhadas...
Com lágrimas rabiscadas...
Numa folha branca de papiro...
Onde desenho hoje, dias de saudade...
Um esboço do teu sorriso...

Ahhh...!
Doce aventurança...
Fado fiel...
Os teus olhos nunca foram tão azuis...
Como na ponte dos sentidos...
Ali... por cima do rio...
O reflexo do céu tocando as notas do improviso...

Há aqui...
Os ferros em formas de vazio...
E círculos de fogo...
Iluminando como velas
As noites que recordamos...
Aqui..

Há aqui...
Todo o Porto inteiro
E o Douro amigo abraçando-me com espírito e corpo
De saudades do momento..

Há aqui...
O meu amor todo
Dançarino por ti...
Tão doce quanto o refresco de açúcar
Que é a fonte da cor
Do teu aveludado sabor...

Aqui... ali... em qualquer lugar...
Por ti... doce amor...

Amo-te... Borboleta Lilás...

Será?

A janela está fechada
Onde está o cadeado da porta?
Será que as palavras se esqueceram de dizer?
Será que o teu silêncio é dor, medo ou incerteza?
Será que me encontro vazio...
Num lugar distante...
À espera do fim...?

As velas estão acesas em cima do mármore cinzento da lareira
E eu não vejo a sua luz...
Não entendo o seu cintilar...
Será que morri sem saber..?
Será que estou longe nesta febre de saudades...?
Será...?

Ficava à tua espera
Na cascata dos nuncas
E esperei que houvesse um beijo...
Uma palavra de amor...
Um querer diferente e forte...
Que estremecesse o tempo...
E houve...
E aconteci...
E emudeci... de tamanha emoção...

Hoje... sou apenas o invólucro despido
Que o vento sacudiu até à brancura do nada...
O incolor de uma estrada escrita nas estrelas
O amanhã de uma centelha de ontens...
O tudo... que procura... a cada esquina...
O regresso cintilante na madrugada
Encontrar-te nas perguntas...
E abraçar-te nas respostas...
E assim... será...
Sim...
Será...?
Um corredor de imagens...
Dentro do vórtice do pensamento...
Dentro de mim...

Sou eu... assim...


Ergue-se num instante
Uma ponte ao fundo do corpo
Para destinos de outras margens
Talvez paisagens de sonhos crescentes
Despidos na humildade do vazio
Sou eu...
Sou eu... assim...

Um precipício inaudível para o invisível
Um declive aberto para o amanhã
Uma estátua moldável de pedra fria
Um rosto queimado, aconchegado
No secreto recanto do teu peito
Sou eu... nunca...
Sou eu... assim...!

Inerte a folha timbrada da solidão
De te escrever, doce ilusão
Uma carta repleta de notícias feitas de coisa nenhuma
Alpinistas descendo das almofadas
E as penas de aves sem asas
Que silvam no beiral da janela do teu quarto
Chamando por nós
Com um gosto amargo e doce
Tudo...tudo...
Tudo outra vez....

E no silêncio adormeço...
Para o sempre...
Adormeço...
Ao som do acórdeão....
Que chora... que grita...
Na esquina da vida....
E eu moro no tempo...
Que o tempo não espera por mim...
Sou eu... fora de tempo...
Sou eu... um presente futuro que ao passar me angústia
Aqui... na varanda do mar...
Rumo aos castelos...
Que a nossa história...
É longa demais para estes dois dias de vida...

A vida não cabe no compasso da eternidade...
E o poço abre-se ao relento...
E fujo... para o longe...
Aqui...
Algures...

Em todo o lado...
Estou eu... vazio...
Sou eu... assim.... o círculo infinito do nada
Eu... assim...
A esfera aglomerada de noites e dias
Que morre ao entardecer do respirar...
Sou eu...
Eu...
Sou eu... nulamente...
Sou eu... assim...

Tempo

Tempo


O tempo viaja por nós como um grito
Um grito que se expande pelo infinito
Um grito que não encontra fronteiras de destino
Um grito que morre..
No momento em que entendemos
As cores indefiníveis do caminho

O tempo embarca no cais da incerteza
E evade-se da doutrina e da fachada
Debate-se perante a conquista do instante
Equaciona a partida, dispersa a chegada
E faz de quem somos, novos, velhos, outros..
...Que não são nada...
Além de tudo o que a aurora lhes prometia
Além do vácuo que é estar aqui
Sem poder olhar a janela escancarada!