Aos meus pais, avós e amigos.
A toda vida...
A toda a natureza..

Traduzir / Translate this blog

Sei...

Sei...


Sei
Que escuto às vezes o silêncio
E penetro sem avançar
No seu sentido

Sei
Que permuto todo o meu tempo
À conquista ávida de vida
Na busca desta viagem percorrida
Nas asas do vento

Sei
Que por mais que saiba
Tudo o que sei
Evapora e acaba
Na trilha
Do que nunca pisei

Sei...
Que te amo hoje
Mais do que ontem
E amanhã
Mais do que hoje...

Sei...
Que a vida é um ciclo em movimento
E que eu, como aquelas árvores ao fundo
Como aqueles pássaros no céu
Ou aqueles golfinhos no oceano deslumbrante...
Amanhã...
No amanhã... que virá...
Também eu já não estarei mais aqui...

Sei...
Que no seguimento do rumo estabelecido...
Serei somente...
Um recorte rasgado, húmido e talvez cansado
Em cima de uma mesa...
Uma cor incolor, transparente, sem odor
Um rasto ténue do passado
Com alguns grãos de areia à mistura...

Sei que...
Amanhã...
Serei somente mais um nome esquecido
Apenas mais um poema perdido em cima de um piano
Um outro livro com pó dentro de um baú velho
Apertado entre as memórias do espírito...

Amanhã...
Serei apenas...
Os ecos que ficaram...
De um grito...
Os murmúrios da melodia de um pensamento...
Registados... olvidados... mumificados...
Na ângular pedra filosofal...
Descoberta oculta entre as paredes e o tecto
Dessa caverna secreta do sonho
Onde se escondem e guardam
Todos os tesouros desconhecidos
Que faltam descobrir...... dentro de nós...
De todos nós...!

Mas ainda assim...
Amanhã...
Quando já tiver partido... e ultrapassado a linha do horizonte...
Com a Lua a iluminar o caminho
E estrelas mudando de lugar...
Ainda assim...
Continuarei a amar-te....
Imensamente...
Profundamente...
Como ontem...
Como hoje...
Como amanhã...!
Como sempre...


Pedro Campos

Talvez...


Talvez...


Tremem-me as mãos
As pálpebras estão cerradas
Ao longe o nevoeiro adensa-se
E eu fico com frio...

Com frio...
Perco-me na pedra gelada
Em que estátuas de ontens
Se fixam alucinadas
Entre a neblina que fica...
E tudo aquilo que nunca vi...!

Treme-me a face...
Os olhos choram... choram... choram...
Os olhos caiem-me da face...
A face perde-se nos olhos...
E eu sou personagens que nunca me foram...!
Personagens que nunca são...

Dissipa-se a pele...
Num terno toque, a volúpia... o desejo... a ternura...
Dissipa-se... o gesto...
Os brilhos demoram
Sou exausto no momento
E nesse intento de louco prégado na praça alada
Acabo-me no fim
De um princípio não iniciado
Nunca terminado... indeterminado
No dentro do dentro de mim...!

E ali...
Ali...
Ali... a rebeldia inocente deste meu olhar
A vontade quente de te amar
A sinceridade plana e recta de te querer
Toda a força de toda a luta
Que esta luta pode ter
Emana saudades de ti
Saudades de nós...
Saudades de te abraçar...

E fecho a porta
A música aglutina-se
Deixei presa nas cordas da viola
Toda a inspiração que tinha

Fecho a porta
Os olhos já não têm mais água
Todos os rios da alma se exalam na sala do medo
Todas as lagoas do tempo
Secaram sem ti
Tudo muda... quando não damos a mão ao céu
Tentando acompanhar as ondas de vento
Para o Norte do existir...
No instante certo....

E essas lágrimas
Essas minhas, nossas, tuas... minhas lágrimas...
Minhas lágrimas rolam pelo precipício
Ondulante do meu corpo
Abrindo-se à frente
Num abismo anguloso
Ruidoso absinto
O sopro, o grito...
Na incoerência do amor e das almas humanas
Mais límpidas
Mais doces
Aqui
Ali...

Talvez eu não saiba nada
Do tudo, de tudo que julguei saber
Talvez a tua ausência de palavra
Seja o silêncio mais vocifrante
Que a minha alma alguma vez ouviu dizer

Talvez... eu não mereça o céu
Dessa luz que transpiras...
Talvez... tu não queiras dar-me a chave
Do profundo do teu mundo... da tua vida...

Talvez...
Talvez...
Talvez eu chore... por te amar...
E não seres tu a dizer
O que acontece aí...
Dentro do cristalino cintilante do teu olhar...

Talvez...
Talvez... a porta ausente...
Entre-aberta para sempre...
No corredor longínquo da vida...
Talvez...
Decerto tu sabes...
Mas digo-te... agora mais uma vez...
- Amo-te...
Na transcendência da imensidade...

- Amo-te...
E tremem-me as mãos...
Ao escrevê-lo...
Às vezes também tu pareces ter medo...
De dizê-lo...
- Amo-te...


Amo-te...

«Sabes, pode até haver um destino traçado, mas se ficarmos ambos sentados no sofá a olhar para a parede branca e nua... o que quer que pudesse acontecer... fica parado....! A vida pode não depender só da nossa vontade, mas os nossos actos dependem só de nós, as nossas decisões, e em última análise, aquilo que cada um de nós é, depende das escolhas que fazemos... dos caminhos que seguimos... de tudo isso...

Eu amo-te...
Eu já escolhi o meu caminho...
E tu?»


Pedro Campos

Ouvir-te...


Ouvir-te...


Queria ouvir-te
Sem o filtro da censura
Queria ouvir-te
Na linha da ternura
Queria ouvir-te
Sem ter medo de seres
Queria ouvir-te
Na plena epopeia de te saber

Queria ouvir-te
Dizer o meu nome
Queria ouvir-te
Falar-me de ti
Queria ouvir-te
De alma aberta, asas despertas
Queria ouvir-te
Sem ter medo de mim

Queria ouvir-te
Tu por inteiro
Queria ouvir-te
Sem teres medo de ti...
Queria ouvir-te
Na planície do sonho
Queria ouvir-te
Amando-nos aqui...

Queria ouvir-te
Sem cessar
Ouvir-te
Sem parar
Falar-te, sentir-te
Queria estar contigo algures
E num beijo
Num beijo eterno...

Queria
Quero
Ouvir-te...
Sem medida...
Sem espaço, sem tempo...
Sem circunstância...


Pedro Campos

O Trapézio do Medo...

O Trapézio do Medo...


Dentro da minha pele
Existe um lugar oculto
Que rodopia e respira
Que transforma tudo
Apesar do medo que sinto
De te perder

Dentro do meu peito
Existe um quarto vazio
Que espera pela luz
Que espera por ti

E quando eu fecho os olhos
Sinto a tua falta aqui
E dentro deste peito apertado
Dentro desta ausência de mim
Percorro-me no trapézio do medo
E deixo-me renascer dentro de ti...

Nesse músculo timbrado de equilíbrio vacilante
Nesta gota de cor
Sinto o temor nos ossos
Sinto a fome de ti

E num toque de pele
A ternura emerge
De um oceano translúcido
Onde fico transparente
Nesta viagem de sempre
Nesta viagem por ti


Pedro Campos