Aos meus pais, avós e amigos.
A toda vida...
A toda a natureza..

Traduzir / Translate this blog

Multidão indefinida


Multidão Indefinida


Desembrulhei as pedras azuis
Essas pedras feitas de sonhos
Frias, gélidas, lisas
Com textura cremosa e tempo indefinido...

Com languidez, desfiz de novo as rotas traçadas no mapa desigual
Com perpetuidade...omiti o medo e ofusquei num relance... a timidez...
Com ternura...decifrei a cor do teu rosto...
E compus com palavras...
A força do meu profundo sentimento por ti...

Às vezes não me conheço...
Às vezes sou mesmo, talvez, quem sabe... uma seara deserta de vida...
Um abismo ancestral... aberto para o obsoleto concentrado do universo...

Às vezes... não sei quem conto em mim...
Um infinitesimal aglomerado de personagens vãs... caladas e sigilosas...
Que o medo e a saudade faz despertar aqui...

Uma multidão indefinida...
Que caminha dentro de mim...


Pedro Campos

Nunca existi...


Eu... Nunca existi...


Abro a tampa da caneta...
Sobre a secretária a vela acesa...dança...
Ao som de uma música que não oiço...
Mas que bate dentro de mim...
Incessantemente... divagante... e luxuriante...

Na velha madeira rabiscada e rasgada pelo tempo...
Jaz um velho caderno de retalhos de poemas...
Que quase se suicida na noite
Quando quase cai no abismo do fim da largura da base de escrita....
Ali... a meio metro do chão arenoso de pensares e sentires...
Situado na planície evidentemente alheia ao existir

Girando em meu redor...
Um ruído de cansaço percorre os becos da casa...
E em todo o lado se ouve o eco da lágrima que cai...
Desprendida do silêncio... no ar...
Gera a angústia absurda...
De acordar sem saber onde se está...
Quem se é...
O que se sente...

E aturdido de mim...
Esboço na plateia ausente...
Mais uma vez a tentativa vã e louca de expressar num verso...
Toda a mistura eloquente de emoções que fermenta aqui

E sem saber-me de mim...
Debruço-me na praia... lembrada no fim...
Daquela tarde junto ao mar...
Em que sentados na areia...
Jantámos a substância poética das nossas almas...
Essa que nos nutriu...
Essa que me fez sonhar...
E acreditar... só...
Acreditando... crendo e desejando...
Que fossemos nós...
Nas diferentes pontes entre o céu e a terra...
Sempre nós...

Que...Entre nós os dois...
Nunca deixássemos de ser nós...
Que entre princípio e continuidade...
Nunca pensássemos num fim...
Que entre pensar, dizer e fazer...
Nada se sucedesse...num diferente rumo...a revelar...
Ou a esconder...

Talvez...
Sentado...aqui nesta cadeira de ontem...
Com o tempo a morder-me as unhas do vento...
O mundo me vá preparando para partir...

Sim...porque os sonhadores também partem...
Algures... em algum momento...
Partirão... partirei...
Para um lugar de ninguém...

Talvez...
Hoje...esteja quedado em mim...
Sem a mesma força de outros tempos...
Sem o mesmo sorriso...
Sem a mesma fé...
E sem o mesmo Ser...
Sem o mesmo Eu... que fui....
Que me fez acontecer...

Talvez...
Nesta secretária de madeira rugosa...
Eu largue no instante quem sou...
E me prepare...
Para largar... quem fui...
Quem serei...
Quem poderia ter sido...
Ali... ao raiar do dia...

Ali... ao raiar do dia...
Só pó brilhando ao sol...
Cortinados ao vento...
Chuva miúda que inunda a serra...
E deriva para o mar...
Tornado...cascata...
De tornados de sentir
E vulcões de carpir...
Gaivotas gracejando...
Silvos de memória...
Do tempo perdido...
O aglutinado instante amordaçado...
Do grito suspenso pelo que se poderia ter vivido...
E não viveu...
Pelo que se poderia ter sido...
E não aconteceu...

E aí...
Quando as gaivotas todas...
Esvoaçarem no voo da despedida...
E as outras aves... silvarem com elegância... na trombeta... da sala marmórea e inquieta...do sublime ascender...
Aí... será o sinal que dirá...
Que como elas...
Também eu voei...
Também eu voei... para longe...
Para muito longe daqui...

E aí...
Quando os meus dedos realçarem a superfície profunda e misteriosa da escrita...
E adormecerem já sem sentir nada...
Mais nada do nada total do sentir...
O quente ou o frio...
O seco ou o húmido...
A dor ou o indolor...
Aí... Adormecerão...
Como eu... Adormeci...

Já sem sentir...
Já sem sentir...
O crepúsculo de ser-me eu...
Para além da aurora de agir
O ser acontecido...
O ter-me acontecido...
Sem fingir...
Como me conheci...

E aí...
Olharei para trás....
E tudo terá sido um sonho...
Que por razão inexplorável... ou alucinação...
Nunca aconteceu...
Aí... A caneta... a vela... o corpo quente...
A chama... a secretária de madeira...
O perfume... a magia... e até o silêncio estridente...
Bem... tudo isso... terá sido breve imaginação...
E eu...
Eu...
Percebo que nunca existi...
Apenas alguém me inventou...
Como eu me imaginei aqui...

Nunca existi...
Fui a prosa elevada de um inventor
Que criou com palavras...
A tarefa impossível de expressar na plenitude... o sentido do amor...

Do amor...
Que esse eu inventado...
Sente e sentirá sempre por ti...

Por ti...



Pedro Campos

Amanheceres...



É cedo
À minha frente vejo um retrato do ontem
O sol reflectindo o seu brilho no Tejo
A estrada inteira à minha frente
Como um desafio a vencer
Todos os dias...
De todas as manhãs...
A todo o instante...

Revejo ali... num relance...
Todos os sítios... espaços e tempos...
Todos os lugares marcados por nós na memória
Todos os instantes... gestos... sussurros...
E emociono-me com a dimensão transcendente...
De tudo...
De tudo... o que fomos... somos...
Queremos ser...

E esses lugares
Essas paisagens do sonho...
Vão passando vertiginosamente face a face...
Ao meu lado...
Por mim...
E no rosto...
No resto que sobra do meu rosto...
Aninham-se as lágrimas saudosistas
De tudo o que passou...
Que a pouco e pouco, paulatinamente...
Encontraram um espaço próprio..
Esculpiram um leito seu...
Só seu...
No rosto do meu rosto....
Ao espelho...

Sei...
Tudo passa... ou quase tudo...
Mas... houvesse liberdade pura..
E hoje seria o ontem que findou
Hoje seria em mim nascida...
A esperança que voou
Seria em mim plena e cristalina...
A lagoa que explodiu
O arco-íris que se derramou
Na toalha húmida e fria
Das nuvens de algodão salgado...
Precipitado de angústia..
Ali...
Nesses amanheceres...
Sem ti...

Tristes...
Sem ti...

Doridos...
Sem ti...

Ali....
Amanheceres...


Pedro Campos

Sigo o meu caminho...



Sigo o meu caminho
Ruas desertas
Mãos despertas
Para o amanhã do mundo

Cada passo que dou
É uma asa que rasga o céu
Num movimento de vazio
Que dá cor ao nevoeiro presente

E sinto...uma imagem visionária do ontem
Cálculo no silêncio as manobras das borboletas
Que percorrem mil flores para habitar uma só

E rio...sob o paradigma da manhã
Sou gesto destituído de força
Mas em mim tenho a força de querer ter gesto no amanhã...
Que somos nós...

Nós...


Pedro Campos