Aos meus pais, avós e amigos.
A toda vida...
A toda a natureza..

Traduzir / Translate this blog

Se eu pudesse


Se eu pudesse...
Dizer-vos tudo o que sinto
Contar-vos tudo o que já vivi
Mostrar-vos todos os lugares onde já estive
Deixar-vos embarcar em todas as minhas vontades
Em todos os meus desejos
Em todos os meus sonhos
Sem receio...
De vos poder ferir...
Se eu pudesse...

Se eu pudesse...
Trazer-vos numa viagem guiada ao meu mundo interior...
Abarcar-vos neste barco de vela
Que navega dentro de mim
E aproximar-vos de quem sou genuinamente sendo...
Sem máscaras...
Sem ocultações...
Sem nada omitir...
O eu... livre de interpretações...
Que ama apaixonadamente e acredita...
Acredita que é isso o fundamental da vida...
Simplesmente amar...

Se eu pudesse...
Fazer-vos testemunhas de mim em mim
Testemunhas dos meus medos, das minhas dores, dos meus desejos, sonhos, vontades....
Testemunhas da minha verdade...
Testemunhas de tudo o que já testemunhei...
Testemunhas até da fuga da minha liberdade...

Se pudesse tudo isso...
Exibir-vos-ia toda a complexidade permanentemente simples com que vivo
Toda a força celeste com que respiro
E me aconteço...
Aqui... e em qualquer lugar...
Em qualquer lugar onde exista um som ou um silêncio para ouvir...
Ou um céu ou uma Lua para olhar...
Em qualquer lugar onde haja magia e a poesia aconteça na sua forma mais bonita...
A própria vida...

Se eu pudesse...
Abrir-vos-ia definitivamente a porta de mim
Deixaria o esboço do sonho conduzir-vos nesse labirintico pensar
Que desabroça no meu ser e se fecha nas ondas do mar
Tantas vezes como pensamentos falhados
E dilemas interiores... que nunca foram mais do que... somente... falta de coragem para optar...
Pelo caminho mais difícil
O do sonho, do que se sente... do que se ama...
O verdadeiro caminho da eternidade...

Talvez...
Se todos vós entendessem aquilo que sinto
Aquilo por que vivo
O que me faz suspirar
E aquilo que me faz sentir bem
Todos os instantes, mesmo os mais ténues e incertos...
Passariam a ser também vossos
Passariam a ser vividos por vós
E eu...
Eu... deixaria de ser mais um incompreendido...
Nas fileiras do esquecimento...
Em que se encontram deitados e escondidos...
Todos aqueles que sempre acreditaram que existia algo mais...
Algo mais... para além da película visível do caos do mundo...

Se em cada dia que transita...
Nesta estrada do universo de um poeta...
Eu pudesse deixar-vos a porta do meu espírito totalmente aberta
Para que entrassem... e vissem....
Tocassem...e sentissem... os meus fascínios...
E esta dor aguda que me arde no peito...
Que persiste em desespero...
Como uma fogueira em chamas que queima a pele do silêncio...
Enquanto me quedo em mim, com medo...

Talvez...
Se me conseguissem olhar... verdadeiramente... assim...
Com os olhos límpidos da alma...
E a sensibilidade suave e subtil...
Talvez aí... deixasse de ser considerado um filho da utopia...
E talvez...
Talvez... deixasse de ser encarado como um estranho nesta cidade...
E pudesse ser apenas visto... como um lutador... um sonhador...
Em busca da felicidade...
Essa ambrósia divina...
Verdadeiro produto alquímico...
Genuína pedra filosofal..
A felicidade... e a textura do seu sabor...

Se eu pudesse...
Acreditem...
Que se eu pudesse trocar a maior parte das coisas de que não preciso
Por aquilo que mais me faz falta... ela... Ahimsa...
Acreditem...
Trocá-las-ia... sem receio do depois...
Trocá-las-ia... em nome da felicidade...
Arriscando o salto... no abismo fundo...
Mesmo sabendo... poder naufragar...
Se as penas das asas...
Não me conseguissem fazer voar...!

Tudo...
Se eu pudesse...
Se eu pudesse...
Apenas... ser dono de mim mesmo...
E fosse capaz de lutar...

E talvez...
Talvez seja capaz...
Talvez este poema sem qualquer estrutura poética
Seja já um pouco da luta que estou a travar...
Comigo e com o mundo...
Pelo direito próprio que cada um tem...
De lutar pela felicidade...
Porque...
No fundo...
É esse o sentido mais profundo da vida...
E o rumo que quero seguir...
O rumo de quem acredita...


Pedro Campos

Poema sem estrutura lógica, quase prosa poética... do qual sobressai uma ideia fundamental... a importância de lutarmos pela nossa felicidade... e por aquilo que sentimos... sonhamos e acreditamos! Na verdade, se observarmos bem o mundo, a natureza, as pessoas, os animais e as plantas, apesar de não parecer, devido ao caos que acontece no mundo, na verdade o que todos procuram é a felicidade ou formas de felicidade. Esse é o objectivo natural de qualquer ser que esteja vivo... mas por razões incompreensíveis... essa verdade continua a ser omitida, escondida e quase recusada por nós.

Se não mudarmos rapidamente a eleição das nossas prioridades na vida, arriscamo-nos a perder o essencial que poderíamos viver, sentir e testemunhar: a beleza da felicidade...

Pensem nisso...

1 comentário:

Barão de Campos(Pai) disse...

Dentro do silêncio ecoam vozes,
palavras mudas em desertos impiedosos...
Rostos sem Alma,
incapazes de amar...

Pudessem os olhos mostrar o sofrer.
fosse a verdade, menos que a solidão...
A perda doce a forma de dizer adeus
sem o calor gélido das lágrimas...

Pudesse o vento encontrar-se dentro de si...
Encontrar-te...

A liberdade vive dentro de Nós,
vizinha da colossal prisão...

A coragem de Ser-se na Plenitude
pode assemelhar-se à negação mais profunda do eu...

Acredita...
Podes partir amanhã...
Sentirás as minhas lágrimas iguais...
Acredita...
Partires em nome da Felicidade é apenas partires para outro lugar...

Se desejares mesmo, podes partir amanhã na direcção que julgues certa...
A oferenda da vida não tem nenhuma cláusula acessória...

Estejas onde estiveres, estaremos contigo...
Amar-te-emos eternamente...

Sustentar bens materiais é apenas isso...
Há sempre alternativas...

Amar um Filho é algo de incondicional...
Acredita! Acredita mesmo...
Espreita dentro dos meus olhos e sente, sente sem ter medo de sentir...
Como quem Ama sem ter medo de Amar...

Um dia... Não estarei mais aqui...
Serei a sombra que um dia te passava a mão pelo cabelo...

Apenas...
Partas ou não partas...
Serei Sempre...
A exclamação pura: Pai!